"Terapia com Sequela" no Jornal Paranaense Gazeta do Povo

Confira abaixo a matéria feita pelo jornalista Sandro Moser para a Gazeta do Povo, o principal Jornal do Estado do Paraná, sobre o livro "Terapia com Sequela" de Márcio Tadeu. Livro que conta a história do Psychobilly no Brasil e que esgotou no seu lançamento no dia 06/09/2015, na festa de 35 anos do Lino's Bar, em Curitiba.

Confira abaixo a matéria com o título "Músico anatomiza psychobilly no livro 'Terapia com Sequela'". 

Terapia com Sequela no Jornal Paranaense Gazeta do Povo
Imagens do psychobilly que surgiu em Curitiba: a cena mais sólida do Brasil e uma das mais importantes da América Latina.

Com acesso a informações privilegiadas, Márcio Gouveia mostra a ascensão do rock maldito de Curitiba.
Por: Sandro Moser

Mostrar como surgiu em Curitiba a cena mais sólida do psychobilly nacional – e uma das mais importantes da América Latina – moveu o músico e professor universitário Márcio Gouvea a escrever “Terapia com Sequela – Rock Maldito, o Psychobilly Visto por Dentro”.

Fundador de uma das bandas fundamentais cidade, Os Cervejas, Gouvea conta que precisou escrever esse livro para pagar um tributo ao gênero que mistura rockabilly, punk a elementos bizarros do underground, pelo qual é apaixonado.

No livro, ele mapeia lugares, pessoas, músicas e shows na história local e no contexto nacional. As experiências são relatadas em primeira pessoa, mas o autor também dá voz, na forma de grandes citações literais, a outros personagens fundamentais na formação da cena psycho.  

Um formato narrativo pelo qual optou após a leitura de “várias biografias e livros sobre rock e música em geral”. “Tive vários exemplos de como fazer e de como não fazer”, diz.

“Escolhi narrar assim, pois o que precisa realmente ser contado é isso: o som, as pessoas, a música, a contribuição”, diz. Não se espere, porém encontrar detalhes sórdidos de noites de arruaças, sexo e drogas, evitados pelo autor.

“Não vi necessidade de contar bastidores picantes, viagens loucas e outros acontecimentos que poderiam acabar constrangendo por serem mal entendidos”, pondera. “Quis manter uma coisa bacana da cena que é o sentimento de união forte, amizades que se perpetuam, crescimento.”

Gouvea mostra a construção dos primórdios do psycho local, num tempo anterior à internet em que a informação só chegava através de pequenos milagres.

“Éramos uma piazada querendo fazer um barulho específico, e tínhamos sonhos como imaginar um festival com várias bandas brasileiras e gringas fazendo uma festa dos diabos”, disse.

Esse pelo menos deu certo e é o festival Psychocarnival, o mais importante do país – no ano que vem ele chega à sua 17.ª edição.

Marco Zero

Para ele, o marco zero em Curitiba foi o surgimento da banda Os Missionários. Foi “além do punk e partiu para um psychobilly bastante original e de muita identidade”.

No livro, Gouvea conclui que o fato do poeta Marcos Prado (1967–1996) ter escrito várias letras para a banda - e também para outras como Beijo AA Força, O Corte – reforçou elos entre outros setores da música da cidade e deram às letras peso e conteúdo de qualidade que ajudaram a formatar o gênero por aqui.

“Quando a minha banda [Os Cervejas] veio no começo da década de 1990, fomos agraciados com ótimas letras dele, como ‘Anjo da Morte’, que virou videoclipe [muito exibido na MTV] e nos levou a vários cantos do país”, diz.

Em um dos capítulos do livro, Gouvea deixa a pergunta: “O que havia na água (ou na cerveja) de Curitiba para que a cidade se transformasse em polo desta vertente na América Latina?”

Para ele é a característica “ortodoxa” do som composto aqui que faz a diferença.

“Existe uma originalidade diferente, densa, de difícil explicação. Sentimos isso desde sempre, os primeiros shows que eu fui – Beijo AA Força, paz armada e outros – sempre foram um resumo do que eu gostava, além de apontar para novas direções. Eu não organizava o pensamento desse jeito, mas sentia”, explica.


Data de Publicação: 22/09/2015
Canal de Publicação: www.gazetadopovo.com.br

 

Share on Google Plus

About Bone Shaker

Idealizador do site Psychobilly Brasil. Carioca, pai, esposo, trabalhador, aprendiz de baterista e entusiasta na internet. Formado em História e amante da música. Descobriu o Psychobilly com o Sick Sick Sinners e desde então decidiu que queria aquilo para sua vida. É baterista da banda Skullbillies a qual tem uma relação de amor e ódio.
    COMENTAR COM GOOGLE
    COMENTAR COM FACEBOOK

0 comentários:

Postar um comentário

O Psychobilly Brasil agradece a sua participação. Volte mais vezes!
Stay Psycho!