A história do Psychobilly no Brasil por Marcio Tadeu

A história do Psychobilly no Brasil por Marcio Tadeu
Márcio Tadeu a frente dos Cervejas no Route 66, em Curitiba
Às vésperas do lançamento do livro "Terapia com Sequela", que irá contar a história do Psychobilly em Curitiba e noutros cantos do Brasil, tive uma breve conversa com Marcio Tadeu (Os Cervejas), lendária figura do cenário psycho da capital paranaense, que nos contou que está muito feliz com o resultado final da obra que promete ser uma referência ao estilo e uma homenagem a todos os envolvidos direta ou indiretamente no aparecimento e desenvolvimento do Psychobilly no país. "Minha expectativa quanto à carreira do livro é boa. O público a que ele foi destinado, o do psychobilly, me parece que vai consumir e se identificar com o material, além de conhecer bandas e pessoas que fizeram o psychobilly acontecer não só em curitiba como no Brasil e alguns países."

Mesmo sem o apoio de uma editora, o livro será lançado de forma independente no dia 06/09 no Lino's Bar, no show de comemoração de 35 anos do bar que é o berço de várias bandas em Curitiba. (veja detalhes sobre este show aqui) "Eu comecei a escrever em 2007. Terminei ano passado. Desde então, fui atrás de uma editora ou iniciativa através da qual eu pudesse lançar o livro. Não houve sucesso. Resolvi eu mesmo bancar e as vendas bancarem as edições seguintes.

Há algum tempo atrás, no Jamaican Office, blog pessoal de Márcio Tadeu, foi postado um breve resumo dos capítulos do livro: 

A história do Psychobilly no Brasil por Marcio Tadeu
A primeira unidade de "Terapia com Sequela"
Prólogo - meu background pessoal e um pouco da motivação de escrever este livro, reflexões sobre o Punk curitibano, os bares e principalmente os mitos Lino's e 92º;   

Psycho around the world - A origem do estilo no mundo e um panorama atual, também há depoimentos de psychos lendários como Jeroen Hammers e Kim Nekroman; 

ABC - Onde tudo começou no Brasil, os primeiros anos e a influência nacional que perpetuou, depoimentos de músicos como Hulkabilly e George G; 

São Paulo - Os shows, as casas, as pessoas e bandas que formaram aquele segundo momento do Psycho nacional, mais depoimentos de bastante gente do passado e do presente, como Luiz Teddy e Niki Nixon; 

Rio de Janeiro - o tamanho da sombra da Grande Trepada no Psycho carioca e adjacências; 

Londrina - Cidade irmã de Psychobilly com Curitiba, bandas, pessoas, festivais e outras histórias, tudo junto a depoimentos dos grandes da cena londrinense; 

Belo Horizonte - A influência do Baratas Tontas e todo movimento da capital mineira, fortíssima na Surf Music também; 

Rockabilly/Surf Music - Os dois estilos sempre tiveram excelentes representantes nacionais. aqui no livro estabeleço uma travessia desde o primeiro tempo até o arrojo e empreendimento das bandas atuais como Beach Comber, Gasolines e The Mullet Monster Mafia - só para citar a Surf Music, assim como depoimentos e toda a cena curitibana; 

Ska - o Ska sempre esteve ao redor do Psycho em curitiba apesar de sua autonomia notória. Aqui tem toda essa participação e depoimentos politizados de Sérgio Soffiatti, Nelson Milesi e Bruno Lancellotti; 

Curitiba - o Capítulo que vai explicar o por quê de toda esta história. são anos e anos de shows, casas, pessoas, ações, histórias e muito Psychobilly desde que Os Missionários deram o tiro inicial até fenômenos recentes como As Diabatz, Sick Sick Sinners, Hillbilly Rawhide e O Lendário Chucrobillyman, sedimentando uma cena que foi transformada com o aparecimento dos Catalépticos.

A história do Psychobilly no Brasil por Marcio Tadeu
Magoo produzindo a arte da capa de Terapia com Sequela
O responsável pela capa do Terapia com Sequela, como não poderia ser diferente, foi o Magoo, que infelizmente nos deixou, vítima de um atropelamento no bairro do Ahú, em Curitiba, em abril deste ano. Assim sendo, o livro passa a ser uma homenagem a esta figura que sempre esteve presente no Psychobilly curitibano, ilustrando as capas dos discos, os flyers, as logos das bandas durante muito tempo.

Marcio, em entrevista ao site "Bandeide" em agosto deste ano, afirmou que "Os principais motivos que me levaram a escrever foram a conservação da memória, o mapeamento de um sistema dentro da cidade. Quanto ao que eu espero de reação das pessoas, eu já mirava um público ideal desde o começo. Há os interessados, e muitos estão em Curitiba mesmo, então foi quase uma coisa para nós da cidade, mas sei que alguns que moram em outros centros ou até outros países vão querer um exemplar. Então acho que vai rolar o livro ir se pagando enquanto houver interesse e curtir a realização essa obra, que foi muito importante para mim. Além do contexto geral e do Psychobilly em si, sou apaixonado pela bizarria e blasfêmias que estão no som. É uma homenagem ao psychobilly que me permitiu passar alguns dos momentos mais bacanas da minha vida e  conhecer pessoas mais bacanas ainda."


A história do Psychobilly no Brasil por Marcio Tadeu
A arte inicial da capa feita por Magoo
O lançamento das memórias de Marcio Tadeu nos leva a crer que o livro realmente será um sucesso e que aqueles que se interessam pelo Psychobilly tem a obrigação de ter. Fica a dica do Psychobilly Brasil aos psychos de todas as gerações.

Aos interessados que não conseguirem adquirir o livro no lançamento, podem entrar em contato com o autor no e-mail: marciotgouvea@gmail.com ou pelo seu perfil no Facebook.

Stay Psycho!
Share on Google Plus

About Bone Shaker

Idealizador do site Psychobilly Brasil. Carioca, pai, esposo, trabalhador, aprendiz de baterista e entusiasta na internet. Formado em História e amante da música. Descobriu o Psychobilly com o Sick Sick Sinners e desde então decidiu que queria aquilo para sua vida. É baterista da banda Skullbillies a qual tem uma relação de amor e ódio.
    COMENTAR COM GOOGLE
    COMENTAR COM FACEBOOK

1 comentários:

O Psychobilly Brasil agradece a sua participação. Volte mais vezes!
Stay Psycho!